bg_facebook
bg_twitter
bg_instagram
bg_youtube
bg_whats

Município de Mato Grosso tem primeira escola com cozinha exclusiva e inclusiva para celíacos

O diagnóstico de doença celíaca, assim como de alergia alimentar, impõe muitas mudanças e adaptações na vida de toda a família e consequentemente, esse processo de aceitação e adaptação deveria ser também ampliado para a comunidade escolar e espaços de convívio social.

No dia 14 de julho de 2022, Sérgio Pereira e Adriana Martins participaram do programa Livre Alimentar, apresentado por Leda Alves, na rádio Metrópole de Cuiabá – MT, e relataram que há cerca de quatro anos e meio, ou seja, entre 2017 e 2018, a filha Jhenyfer começou a ter muitas dores constantemente e foi aí que começou o processo de busca por ajuda médica para descobrirem o que a filha tinha. Após várias idas a médicos e realização de vários exames, foi então cogitada a possibilidade da doença celíaca, confirmada posteriormente e que se trata de uma doença autoimune, que implica em uma dieta totalmente isenta de glúten.

Até então, a família não tinha idéia do que era doença celíaca, conforme Sérgio contou no programa:

https://youtu.be/KOqtNWCzldM

Além de todos os desafios enfrentados pela família, desde a busca pelo diagnóstico até a adaptação da família ao novo estilo de vida sem glúten, leite e ovo, pois além da doença celíaca, foi fechado diagnóstico de alergia alimentar ao leite e ovo. Havia outro desafio talvez maior ainda: conscientizar a equipe escolar sobre a condição da filha e a necessidade de inclusão alimentar escolar com segurança para a pequena Jhenyfer, que na época tinha 6 anos.

Foi aí que realmente começou a luta dessa família, que foi em busca dos gestores municipais de Várzea Grande para garantir a inclusão da filha no espaço escolar. Certamente não foi um processo simples também, e na entrevista eles relatam toda a trajetória, que inclui muitas idas e vindas, diálogos e muito aprendizado por parte de todas as partes envolvidas, tanto a família como a comunidade escolar. E após um longo processo, em que toda ajuda foi bem vinda, pois receberam acolhimento e orientações do grupo de Celíacos de MT, na pessoa da Silvia Jecev, como também da Leda Alves, comunicadora e orientadora em inclusão sócio alimentar, surgiu uma grande conquista para todos os celíacos e alérgicos a leite e ovo: uma cozinha exclusiva e inclusiva com tudo novinho e uma cozinheira exclusiva. E assim, a Escola Municipal Júlio Domingos de Campos de Várzea Grande – Mato Grosso, se tornou pioneira em inclusão alimentar escolar!

Para os gestores municipais e toda a equipe escolar, como diretor, coordenador, nutricionista e cozinheira, também não foi fácil o processo de aprendizagem e adaptações, mas foi prazeroso incluir uma aluna com segurança e receber sorrisos e gestos de gratidão da família. Além de estarem preparados para receber e incluir outros alunos que tenham restrições alimentares, assim como a Jhenyfer.

Evaldo Mendes – Superintendente Operacional do Sistema Escolar e a Nutricionista Mônica Aparecida – Coordenadora de Alimentação Escolar do município de Várzea Grande, também estiveram no programa Livre Alimentar, falando sobre a implantação da cozinha exclusiva e inclusiva na escola municipal Júlio Domingos de Campos.

 https://bit.ly/3VgWmlw

Infelizmente, o que deveria ser regra, é exceção, pois inclusão alimentar nas escolas é lei!

No estado de Mato Grosso, foi aprovada e sancionada Lei da Alimentação Inclusiva de autoria do deputado estadual Dr. Eugênio, que estabelece a oferta de alimentação apta e segura para alérgicos e intolerantes alimentares e celíacos em todas as escolas e instituições de ensino públicas e privadas, o que inclui as cantinas, que obrigatoriamente teriam que ter opções aptas para essas pessoas.

No entanto, a luta para que essa lei entre em vigor na prática, é árdua, pois exige que toda a comunidade escolar, incluindo familiares de não alérgicos e não celíacos, seja informada e conscientizada, para que a inclusão alimentar aconteça e a comunidade em geral tenha mais empatia pelas famílias que convivem com diferentes tipos de restrições alimentares.

Inclusão é direito e obrigação de todos!

As seguintes imagens enchem o coração de alegria e renovam a esperança de que é possível sim, que crianças, jovens e adultos com restrições alimentares sejam incluídos e possam conviver e socializar com segurança em todos os espaços de convívio e socialização, desde que os responsáveis e/ou gestores desses espaços tenham empatia, sensibilidade, abertura e disposição para aprender a incluir com segurança.

Fotos: gentilmente cedidas pela Adriana, mãe da Jhenifer, de alguns momentos em alguns espaços da Escola Municipal Júlio Domingos de Campos de Várzea Grande – MT e arquivo pessoal.