bg_facebook
bg_twitter
bg_instagram
bg_youtube
bg_whats

Alergia Alimentar está associada a menor risco de infecção por SARS-CoV-2

Alergia Alimentar está associada a menor risco de infecção por SARS-CoV-2

 

De acordo com um comunicado de imprensa publicado no dia 01 de junho de 2022 no site do NIH – National Institutes of Health, um estudo financiado pelo NIH “descobriu que pessoas com alergias alimentares são menos propensas a serem infectadas com SARS-CoV-2, o vírus que causa COVID-19, do que pessoas sem elas.” O estudo também mostra que asma não aumenta o risco para infecção com o vírus.

O estudo denominado Human Epidemiology and Response to SARS-CoV-2 (HEROS), aponta também que crianças de 12 anos ou menos têm a mesma probabilidade de serem infectadas pelo vírus como adolescentes e adultos, mas 75% das infecções em crianças são assintomáticas e a transmissão em domicílios com crianças é alta.

Segundo o diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID),  a associação observada entre alergia alimentar e o risco de infecção por SARS-CoV-2 merece uma investigação mais aprofundada. O estudo HEROS foi patrocinado e financiado pelo NIAID e os participantes foram recrutados a partir de estudos existentes, financiados pelo NIH, com foco em doenças alérgicas. Mais de 4.000 mil pessoas em quase 1.400 famílias em 12 cidades dos Estados Unidos, foram monitoradas durante o estudo que ocorreu entre maio de 2020 e fevereiro de 2021. Aproximadamente metade das crianças, adolescentes e adultos participantes tinham auto-relato de alergia alimentar, asma, eczema ou rinite alérgica.

Um dos fatores possíveis para essa correlação entre alergia alimentar e SARS-CoV-2 é que a inflamação tipo 2, que é característica de condições alérgicas, pode reduzir os níveis de uma proteína chamada receptor ACE2 na superfície das células das vias aéreas e o SARS-CoV-2 usa esse receptor para entrar nas células, mas como ela é reduzida nesses casos, isso pode limitar a capacidade do vírus. Outro fator protetivo poderia ser a diferença no comportamento de risco, uma vez que, pessoas com alergia alimentar tendem a comer fora com menos frequência.

Estas descobertas foram publicadas no Journal of Allergy and Clinical Immunology.

Fonte: www.nih.gov